O papa Bento XVI afirmou neste domingo (20) que qualquer decisão da vida política não pode prescindir da fé, durante sua homilia no estádio do time de beisebol New York Yankees no último dia de sua visita aos Estados Unidos. O líder da Igreja Católica celebrou uma missa para 57 mil pessoas no local.

“É necessário rejeitar a falsa dicotomia entre fé e vida política”, declarou o papa, que afirmou que “nenhuma atividade humana, nem sequer nos assuntos temporários, pode descartar a soberania de Deus”.

Por isto, o pontífice elogiou um país no qual “os católicos encontraram não apenas a liberdade para praticar sua fé, mas também para participar plenamente na vida civil, levando consigo suas convicções morais para a esfera pública, cooperando com seus vizinhos para forjar uma vibrante sociedade democrática”.

Mensagens

Em sua homilia, o papa repetiu uma de suas mensagens um apelo que fez durante sua visita aos Estados Unidos: a obrigação dos católicos de defender o direito à vida e condenar o aborto.

Além disso, convidou os fiéis a “garantirem o respeito da dignidade e dos direitos humanos de todo homem, mulher e criança” no mundo, “incluídos os dos mais indefesos, como as crianças que ainda estão no seio materno”.

A defesa da vida, a educação dos jovens e a atenção a pobres, doentes e estrangeiros tem que ser a base da Igreja na América, declarou ele.

Bento XVI também destacou o valor da “autoridade” e da “obediência”, consideradas “um obstáculo para muitos de nossos contemporâneos, especialmente em uma sociedade que dá mais valor para a liberdade pessoal”.

A “autêntica liberdade é encontrada apenas quando nos afastamos do jugo do pecado, que nubla nossa percepção e debilita nossa determinação, e vê a fonte de nossa felicidade definitiva em Deus”, afirmou Joseph Ratzinger.

Na mensagem que leu em espanhol o Pontífice também instou os fiéis a lutarem contra tudo aquilo que os escraviza, a começar por seu próprio egoísmo e capricho.

Fonte: G1