O pregador da Casa Pontifícia, Raniero Cantalamessa, lançou nesta sexta-feira uma chamada à unidade dos cristãos e assegurou que “não existe distinção entre católicos, ortodoxos e protestantes, mas entre os que acham que Cristo é o filho de Deus e os que não o acham”.

Cantalamessa fez as declarações durante a homilia da Paixão de Cristo pronunciada na Basílica de São Pedro e presidida pelo papa Bento XVI.

O pregador do papa, tradicionalmente encarregado da homilia da Paixão durante a Sexta-Feira Santa, acrescentou que a unidade dos cristãos é “uma meta a alcançar” e um “dom a acolher”.

E lamentou os obstáculos criados pelas diferentes denominações cristãs na obtenção da unificação.

Segundo o pregador, “o que está em jogo no início do terceiro milênio já não é o mesmo que na virada do segundo milênio, quando aconteceu a separação entre oriente e ocidente, nem é o mesmo que o da metade do milênio passado, quando aconteceu a separação entre católicos e protestantes”.

E acrescentou: “o mundo seguiu adiante e nós permanecemos presos a problemas e fórmulas que o mundo nem sequer lembra o motivo”.

No entanto, explicou que o caminho em direção ao ecumenismo não pode “queimar períodos”, em relação às diferenças na doutrina entre os cristãos, “porque as diferenças existem e é preciso resolvê-las com paciência nas sedes apropriadas”.

“Mas podemos por outro lado queimar etapas na caridade, e estar unidos desde já”, acrescentou Cantalamessa.

Para o pregador do Vaticano, “o que poderá reunir os cristãos divididos será só a difusão de uma nova onda de amor por Cristo”.

Em sua homilia, Cantalamessa lembrou de Chiara Lubich, fundadora do Movimento dos Focolares e que faleceu recentemente, cuja vida demonstrou “que a unidade entre os cristãos não leva ao fechamento do resto do mundo”.

O ecumenismo “é, melhor dizendo, o primeiro passo e a condição para um diálogo mais amplo com os crentes de outras religiões e com todos os homens que se importam com o destino da humanidade e da paz”, declarou.

Fonte: EFE