[img align=left width=300]http://blogdocarlosaraujo.com.br/wp-content/uploads/2015/08/525-630×280.jpg[/img]

Em entrevista ao iG, deputado que [url=https://folhagospel.com/modules/news/article.php?storyid=30838]disputará Prefeitura pelo PSC[/url] critica ciclovias e redução de velocidade em vias da cidade.

Conhecido nacionalmente por embates polêmicas com minorias, especialmente movimentos em defesa dos direitos homossexuais, o deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP) acredita que o paulistano tem boas razões para votar em seu nome no ano que vem, quando será candidato à prefeitura paulistana pelo Partido Social Cristão.

“O [atual prefeito Fernando] Haddad dá uma lição de tudo o que não se deve fazer em seu cargo”, disse ao iG Feliciano, pouco depois da confirmação de sua pré candidatura, nesta segunda-feira (31). “Se eu desfizer metade do que o PT fez em São Paulo nos últimos anos a população vai construir uma estátua para mim. O partido jogou a cidade na lama.”

Feita recentemente pela cúpula do partido, a proposta para disputar o cargo de chefe do Poder Executivo paulistano foi oficialmente aceita em reunião em que estavam presentes as principais lideranças do PSC, entre elas seu presidente nacional, Pastor Everaldo. Por ora, Feliciano é ainda considerado pré-candidato, pois seu nome só pode ser lançado no ano eleitoral, após convenção nacional das siglas.

Até então mais focado em cargos legislativos, o partido passou a vislumbrar a Prefeitura paulistana após a relativamente barulhenta campanha de Everaldo na disputa presidencial do ano passado, quando ele obteve pouco mais de 780 mil votos – ou 0,75% do total. O objetivo é que o partido ganhe mais relevância no cenário nacional.

“O poder Executivo está completamente distante da população. Sorri na hora de pedir voto e depois fica tomando decisões sem prever suas consequências. Tem sido assim com toda a questão da mobilidade urbana, com as ciclovias, a redução das velocidades máximas em todas as vias. Quero respeitar o trabalhador da família paulistana, o que não tem ocorrido atualmente.”

[b]Campanha barulhenta[/b]

A confirmação do nome de Feliciano para disputar a Prefeitura abre caminho para uma campanha barulhenta e extremamente midiática no próximo ano, quando ocorrem as eleições midiáticas.

Além do pastor, conhecido por embates com minorias, especialmente as defensoras dos direitos homossexuais, anunciaram em julho que disputarão o cargo José Luiz Datena, apresentador do policialesco “Brasil Urgente”, na TV Bandeirantes; e o jornalista Celso Russomano, conhecido por suas matérias sobre direito do consumidor na TV Record, que disputou a Prefeitura em 2012. O empresário João Dória Jr., ex-apresentador do reality show “O Aprendiz”, também anunciou sua intenção de concorrer.

“Vai ser uma eleição sui generis, realmente atípica com essas várias pessoas da mídia. Isso é bom, porque não temos nenhum favorito neste momento. Novidades nem sempre são ruins, e acho que este será o caso. Será uma boa briga entre nós, o que é ótimo, pois precisamos de um novo oxigênio à população”, diz Feliciano.

Bandeiras como a condenação do casamento entre homossexuais na cidade que protagoniza anualmente a maior das Paradas Gays no mundo, no entanto, pode ser um problema para o candidato, acredita ele. Feliciano não comenta o tema diretamente – “não tenho nem posicionamento quanto ao protesto, porque de parada já basta a cidade, com esse trânsito absurdo” –, mas tem a certeza de que o fato de ser pastor evangélico e ter posturas polêmicas sobre diversos assuntos deve gerar uma série de ataques de adversários devido à sua religião.

“Existe um grande preconceito contra mim porque sou um homem de fé. Vão bater em mim, com certeza”, afirma o deputado. Ele enfrenta processo atualmente por ter ofendido a transexual Viviany Beleboni após ela protagonizar protesto em que apareceu crucificada na Parada LGBT da capital paulista, em junho.

“Mas princípios não podem ser negociados e eu jamais mudarei os meus. As pessoas com bom juízo assistem às minhas entrevistas e veem bem que não sou um homem preconceituoso, muito menos homofóbico. Posso não ter força, mas me sobra coragem. Será uma luta de David contra Golias. Seja o que Deus quiser.

[b]Fonte: Último Segundo – iG[/b]