Não há nenhum plano pré-estabelecido para reunificar os anglicanos com a Igreja Católica sob a autoridade do papa: é o que afirma a Comissão Internacional anglicano-católica para a Unidade e a Missão.

O organismo ecumênico responde, dessa forma, às indiscrições publicadas nesta segunda-feira, pelo jornal londrino “The Times”, que faz referência a um suposto documento preparado pela comissão para a reunificação das duas Igrejas.

Os boatos sobre a existência de um plano “para reunir” católicos e anglicanos “são completamente exagerados” _ afirmou a Comissão Internacional anglicano-católica para a Unidade e a Missão, numa nota firmada pelo arcebispo de Brisbane, Dom John Alexius Bathersby, e pelo prelado anglicano, David Beetge, em resposta à publicação do “The Times”. Na nota se confirma a publicação, para breve, de um documento intitulado “Crescer juntos, na unidade e na missão”.

A nota esclarece o “nível de acordo obtido” no seio da comissão, mas também identifica a “temática sobre a qual persistem contrastes”. Por isso _ lê-se ainda na nota _ o documento a ser publicado pretende, com grande honestidade, avaliar o estado das relações atuais entre católicos e anglicanos.

A segunda parte do documento deverá indicar as “iniciativas concretas”, identificando as perspectivas comuns de “missão, estudo e oração já autorizadas tanto pela Igreja Católica quanto pela Comunhão Anglicana.

O artigo do “The Times” faz referência aos riscos de um cisma dentro do mundo anglicano, após a abertura para a ordenação de bispos homossexuais. A esse propósito, a nota recorda que o Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos sempre realçou a importância do valor da unidade dentro da Comunhão Anglicana.

A nota recorda ainda, as palavras de Bento XVI que, durante o encontro de novembro passado, com o primaz anglicano e arcebispo de Cantuária, Dr. Rowan Williams (foto a direita), expressou os votos de que se trilhe o caminho da “comum aspiração” para uma “plena e visível unidade”, radicada no Evangelho e na tradição apostólica.

Fonte: Rádio Vaticano