Apesar de reunir apenas 2,4 milhões de fiéis nos EUA, as autoridades anglicanas não têm colocado travas às conversões ao catolicismo.

Pelo menos 100 padres e 2 mil leigos anglicanos devem se converter ao catolicismo até o final do ano nos Estados Unidos, de acordo com a Arquidiocese de Washington, entidade encarregada pelo Vaticano para conduzir esses processos no país.

A estimativa foi apresentada na semana passada, durante a conferência dos bispos americanos em Seattle, como um resultado esperado de uma “força-tarefa” do Vaticano e da Igreja Católica nos EUA. “Isso vai acontecer mais cedo do que se espera”, afirmou à imprensa o cardeal-arcebispo de Washington, d. Donald Wuerl.

Desde 1980, quando o papa João Paulo II abriu o primeiro modelo de conversão, segundo o qual os novos membros da Igreja teriam de se submeter estritamente às regras católicas e às suas autoridades locais, três congregações do Texas aceitaram as condições impostas.

As regras mais flexíveis aplicadas pelo papa Bento XVI desde novembro de 2009 estimularam a transição. Segundo o cardeal Wuerl, um “significativo” número de consultas de anglicanos foi registrado desde setembro, quando ele recebeu a incumbência de cuidar das conversões.

Além da igreja de São Lucas, em Bladensburg, no Estado de Maryland, a paróquia anglicana de Monte Calvário, em Baltimore, no mesmo Estado, está também em processo de transição para a fé católica romana.

O trabalho de conversão envolve, segundo o cardeal, a elaboração de um dossiê sobre os sacerdotes anglicanos – certidão negativa de ficha criminal, avaliação psicológica e carta de desligamento assinada por uma autoridade anglicana.

No caso da conversão de toda uma paróquia, há também considerações sobre a propriedade da Igreja e de suas outras instalações. Nesse ponto estancou a conversão de Monte Calvário.

No caso da Igreja de São Lucas, o imóvel será alugado pela Arquidiocese Anglicana de Washington por um período de três anos à sua contraparte católica, com opção de compra.

O padre Scott Hurd, responsável por esse caso, evitou mencionar o valor do aluguel. “A Igreja Anglicana foi muito generosa”, desconversou.

Apesar de reunir apenas 2,4 milhões de fiéis nos EUA, segundo dados oficiais de 2008, as autoridades anglicanas não têm colocado travas às conversões ao catolicismo, que reúne 57,2 milhões seguidores no país.

[b]Fonte: Estadão[/b]