Um grupo de padres austríacos criticou veementemente a decisão de Bento XVI de promover um sacerdote ultraconservador, que sugeriu que o furacão Katrina foi provocado pelo pecado em New Orleans, disse o líder do grupo nesta quarta-feira, 11.

O Vaticano anunciou, em 31 de janeiro, que o reverendo Gerhard Maria Wagner, de 54 anos, se tornaria bispo auxiliar em Linz, na Áustria. A decisão provocou pedidos dos católicos, que alertaram que a atitude pode levar fiéis a deixar a Igreja.

Wagner, entre outras coisas, questionou se o “perceptível” aumento em desastres naturais como o Katrina foi um resultado da poluição causada por humanos ou da “poluição espiritual.” Ele também caracterizou os livros do Harry Potter como “satanismo”.

Franz Wild, chefe da Igreja da província de Upper e pároco na cidade de Traun, está entre os que criticam Wagner.

Wild confirmou que 31 dos 35 reitores presentes durante uma reunião informal na terça-feira, 10, criticaram Wagner, votando uma declaração dizendo que não podiam apoiar sua nomeação.

“Nós não podemos imaginar Gerhard Maria Wagner como um bispo”, disse Wild. “Como bispo, a chave é unir as pessoas, e Wagner simplesmente não é qualificado.”

Wild descreveu a decisão do papa como “incompreensível” e disse que poderia pensar em diversos candidatos altamente qualificados para a posição. Wagner não estava na lista de nomes enviados pela diocese de Linz para consideração do Vaticano.

Fonte: Estadão