Médiuns, videntes e cartomantes poderão ter de avisar os clientes que seus serviços não são “comprovados experimentalmente”, se não quiserem ser alvo de uma nova legislação de proteção ao consumidor que entrou em vigor nesta segunda-feira na Grã-Bretanha.

A lei, que implementa uma diretiva da União Européia sobre práticas comerciais injustas, aperta o cerco a várias atividades comerciais e oferece proteção ao consumidor contra declarações ou omissões enganosas e práticas agressivas de venda.

No total, a nova lei apresenta uma lista de 31 práticas que serão consideradas injustas. Entre elas estão anunciar liquidação de itens devido ao fechamento de negócios, se isso não for verdade, e apresentar ofertas limitadas que acabam durando mais.

A legislação também pune o uso de testemunhos falsos para fazer propaganda de um produto ou anunciar um produto a um preço bem baixo sabendo que não há estoque suficiente para atender à demanda.

Religião

A legislação provocou o protesto principalmente de médiuns e videntes, que terão que colocar avisos como “apenas para entretenimento” se quiserem evitar processos de clientes insatisfeitos.

Um grupo de profissionais da área chegou a entregar, no mês passado, uma petição com 5 mil assinaturas ao governo britânico para tentar evitar a mudança.

Carole McEntee Taylor, uma das fundadoras da Associação dos Trabalhadores Espirituais da Grã-Bretanha, diz que o que videntes e médiuns praticam é espiritualismo, uma religião.

Por isso, diz Taylor, como todas as outras religiões, suas práticas não deveriam exigir provas.

Fonte: BBC Brasil