A Igreja católica francesa deu um show de transparência nesta quarta-feira ao anunciar que havia nove sacerdotes presos por atos de pedofilia e 51 acusados.

A França é um país que não esteve envolvido em escândalos de pedofilia em grande escala nos últimos anos.

Segundo uma grande investigação realizada pela Conferência Episcopal da França (CEF), nove sacerdotes estão presos por casos de pedofilia, 51 são acusados e 45 acabaram de cumprir sua sentença, revelou a Igreja durante uma entrevista coletiva.

A França contava em 2008 com 19.640 sacerdotes em exercício. A Igreja não indicou a duração das penas dos sacerdotes que estão atualmente na prisão.

A CEF publicou em 2000 uma primeira versão deste documento, sob a forma de um folheto destinado a dar “referências aos educadores”.

Este documento foi concluído integrando, entre outras coisas, as evoluções do direito e o que prevê o Direito Canônico, vigente na Igreja. Este estipula, por exemplo, que quem estuprar um menor de menos de 16 anos seja destituído de suas funções no seio da Igreja.

A obra detalha como devem se comportar com os jovens, define os atos pedófilos, como preveni-los e como “atuar e reagir” (entre outros, como e a quem denunciá-los).

Em 2000, a Igreja católica francesa estava sendo investigada pela justiça por não ter “denunciado atos pedófilos” cometidos por um bispo.

Naquele ano, a pedofilia entrou na ordem do dia da assembleia plenária de bispos. A CEF criou um “grupo de vigilância” e decidiu publicar um folheto pedagógico.

Na França, nos últimos anos não veio à tona nenhum escândalo em grande escala que envolvesse a Igreja, ao contrário do que ocorreu nos Estados Unidos, na Irlanda e na Bélgica.

Entretanto, foram divulgados diversos casos de pedofilia nos quais religiosos estavam envolvidos.

[b]Fonte: Folha Online
[/b]