Barack Obama e a Alta Representante da União Europeia, Catherine Ashton, condenaram os atentados terroristas no Egito e na Nigéria .

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, condenou neste sábado os “ultrajantes atentados terroristas” no Egito e na Nigéria e disse que os EUA estão prontos para auxiliar os dois países a respondê-los.

Uma bomba matou pelo menos 21 pessoas do lado de fora de uma igreja na cidade egípcia de Alexandria.

“Os responsáveis por este ataque estavam claramente tentando atingir cristãos e não têm nenhum respeito pela vida e dignidade humanas. Eles devem ser levados à Justiça por este ato bárbaro”, disse em comunicado oficial Obama, que está de férias no Hawai.

“Nós continuamos recolhendo informações sobre esse evento terrível e estamos preparados para oferecer qualquer apoio necessário para o governo do Egito,” acrescentou.

Na Nigéria, uma bomba em um mercado lotado na capital Abuja matou pelo menos quatro pessoas e feriu mais de uma dúzia durante as celebrações de Ano-Novo no final da sexta-feira.

“Matar civis inocentes que estavam apenas se reunindo –como várias pessoas fazem no mundo– para celebrar o começo do novo ano mostra a visão falida dos responsáveis pelos ataques. E nós também estamos preparados para oferecer assistência ao governo da Nigéria para levar os responsáveis à Justiça,” disse Obama.

[b]UE condena ataque a igreja no Egito e pede proteção aos cristãos
[/b]
A Alta Representante da UE (União Europeia), Catherine Ashton, condenou neste sábado o atentado contra um templo cristão da cidade egípcia de Alexandria, no qual 21 pessoas morreram e 79 ficaram feridas, e insistiu pela proteção à comunidade cristã nesse país.

“A alta representante está profundamente triste pelo ataque”, destacou a porta-voz de Ashton, Maja Kocijancic, em comunicado, e lamentou a morte das pessoas inocentes.

“Não pode haver nenhuma justificativa para este ataque”, reforçou, e lembrou que “é preciso proteger o direito da comunidade cristã desse país de se reunirem para rezar livremente”.

A bomba explodiu pouco depois de os cristãos começarem a sair da Igreja dos Santos, no bairro alexandrino de Sidi Bishr, depois que 1.000 de pessoas assistissem a uma celebração que se estendeu até a meia-noite.

As suspeitas apontam a Al Qaeda como responsável pelo atentado, que anteriormente já tinha ameaçado os cristãos egípcios pelo suposto desaparecimento de duas cristãs que se converteram ao islã.

[b]Fonte: Folha Online
[/b]