A organização não-governamental norte-americana Rede de Sobreviventes de Abuso Sexual de Sacerdotes declarou nesta sexta-feira que tem uma lista com mais de 90 padres mexicanos envolvidos em atos de pedofilia.

O grupo divulgou a informação depois do interrogatório do arcebispo do México, Norberto Rivera, e do bispo de Tehuacán, Rodrigo Aguillar, na Cidade do México, na quarta e quinta-feira, por representantes de um juiz da Califórnia.

Os dois sacerdotes são acusados em um tribunal dos Estados Unidos de encobrir o padre mexicano Nicolás Aguillar, acusado de abusar sexualmente de 86 crianças, 60 em Tehuacán e 26 em Los Angeles, na Califórnia.

Uma das vítimas de abuso, Joaquín Aguillar (sem parentesco com o sacerdote ou com o bispo), processou Rivera, o cardeal Roger Mahony, arcebispo de Los Angeles e o bispo de Tehuacán, em uma corte norte-americana, por protegerem o religioso quando ele trabalhou em suas paróquias.

Os interrogatórios fazem parte das investigações preliminares que servirão para que o juiz determine se essa causa pode ser levada à Justiça dos EUA.

O porta-voz do arcebispado, Hugo Valdemar, disse que Rivera concordou voluntariamente em se declarar sobre o caso, mas o porta-voz da ONG, Erick Barragán, afirmou que “a corte o obrigou”.

A organização afirmou que tem uma lista com nomes de sacerdotes que esconderam Rivera e que também serão citados na Corte Superior de Los Angeles, além de estarem integrando as causas de vários religiosos e falando com mais vítimas para poder apresentá-las.

O cardeal Mahony concordou em julho perante o tribunal de Los Angeles, em pagar indenizações de US$ 660 milhões a 500 vítimas de abuso sexual de um grupo de sacerdotes de sua diocese.

Fonte: Ansa