A cidade italiana de Gênova assiste, desde segunda-feira, 16, à circulação de ônibus com mensagens ateias, que a União de Ateus, Racionalistas e Agnósticos (UAAR) da Itália conseguiu divulgar, depois de modificá-las até que fossem aceitas pela empresa gestora dos transportes públicos.

“A boa notícia é que na Itália há milhões de ateus. A melhor é que acreditam na liberdade de expressão”, é a mensagem que os genoveses podem ler nos ônibus da linha 36 de Gênova, em uma iniciativa para aproximar o ateísmo dos cidadãos.

A mensagem substitui a anterior, “A má notícia é que Deus não existe. A boa é que não precisamos dele”, que havia sido proibida pela gestora de publicidade IGP Decaux, que a considerou ofensiva às sensibilidades religiosas do público, o que violaria seu código de conduta.

A nova mensagem “foi escolhida para devolver visibilidade aos ateus e agnósticos, que são cerca de um em cada sete italianos”, diz o secretário-geral da UAAR, Raffaele Carcano, em declarações à mídia local.

“A nossa é uma campanha por visibilidade, porque mais visibilidade significa menos discriminação e mais respeito. Mas também pela liberdade de expressão, na qual os ateus creem firmemente, no que diferem, por exemplo, da diocese de Gênova, que havia pedido a retirada da mensagem anterior”, acrescentou.

A Itália vive tempos de grande tensão entre Igreja, governo e sociedade civil. O ponto de discórdia mais recente foi o caso de Eluana Englaro, uma italiana que passou 17 anos em estado vegetativo e a cuja morte – precipitada pela desativação dos aparelhos que a alimentavam – foi severamente combatida e, depois, criticada pelo Vaticano.

Há pouco mais de um ano, uma polêmica tomou conta da Universidade La Sapienza, em Roma, quando estudantes e professores lançaram um movimento em oposição a um convite para que o papa Bento XVI fizesse uma palestra na instituição.

Cidades como Londres, Barcelona e Madri, entre outras, tiveram campanhas semelhantes à da UAAR, promovidas por movimentos locais de ateus. No Brasil, a Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos (Atea) realiza uma coleta de fundos para lançar campanha semelhante na cidade de São Paulo.

Fonte: Estadão