Depois da exclusão de Estados Unidos e União Européia, caberá ao Conselho Mundial das Igrejas a tarefa de monitorar as próximas eleições em Zimbábue. A notícia foi confirmada pelo secretário-geral do Conselho, pastor queniano Samuel Kobia, durante um encontro com o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon.

Durante as eleições de 29 de março, a população vai decidir se reeleger Robert Mugabe, à frente do país desde a independência e acusado de tê-lo conduzido a uma crise econômica sem precedentes, com uma inflação que alcançou 100.000%. Seu principal adversário será o ex-ministro da Economia, Simba Magoni.

Estados Unidos e União Européia impuseram sanções ao governo de Mugabe, acusado de fraude durante as últimas eleições de 2002. No mês passado, a Comissão Justiça e Paz da Igreja Católica pediu o adiamento do pleito.

Fonte: Rádio Vaticano