“O ‘Código Da Vinci’ não nos agradou, achamos que parece mais um pastelão new age, mas é necessário reconhecer que para a Opus Dei o filme foi oportuno, porque trouxe um aumento significativo de interesse sobre a nossa obra”, declarou Giuseppe Corigliano, diretor do escritório de informação da Opus Dei na Itália.

A declaração foi feita por Corigliano ao apresentar as iniciativas multimídias que a instituição católica planeja para divulgar sua natureza e seus fundadores.

“De fato, nós mantivemos diante do filme uma postura calma, quando poderíamos tê-lo denunciado, já que mostrava um membro da Opus Dei como assassino. Nos limitamos a pedir à Sony que fosse incluída ao final uma frase para esclarecer que se trata de uma obra fictícia”, disse Corigliano.

Ele explicou ainda que para o filme sobre a vida de São José Escrivà, fundador da Opus Dei, no qual está trabalhando Lux Vide de Ettore Bernabei, a organização se limitará a um papel de consultora.

Fonte: Folha Online