Uma comissão foi criada pelos Legionários de Cristo para analisar os supostos casos de abuso sexual cometidos por um padre.

Os Legionários de Cristo anunciaram a criação de uma comissão para analisar os supostos casos de abuso sexual cometidos pelo padre mexicano Marcial Maciel, fundador da ordem religiosa. Intitulada “Comissão de Aproximação”, o órgão terá como objetivo “escutar as vítimas e elaborar um relatório final” dos casos, o qual será entregue para o Delegado Pontifício dos Legionários de Cristo, cardeal Velasio de Paolis, que foi indicado pelo Vaticano após as denúncias de pedofilia.

De acordo com um informe publicado no site da ordem, a comissão não atenderá casos que estejam em tribunais civis ou eclesiásticos. O texto ressalta também que a comissão buscará uma comunicação maior entre a Igreja Católica do México e o Vaticano. “Pretende-se seguir lidando com seriedade e responsabilidade os acontecimentos da nossa história recente, a referente conduta do padre Marcial Maciel e as implicações e consequências que ela teve em algumas pessoas”, disse o diretor-geral dos Legionários de Cristo, Alvaro Corcuera.

“Queremos, dentro do que for humanamente possível, encerrar esse capítulo e seus aspectos mais dolorosos, além de buscar a reconciliação e fazer com que a justiça e a caridade imperem”, completou.

Criada em 1941 e reconhecida pelo Vaticano em 1983, a congregação Legionários de Cristo atualmente está presente em 19 países.

Seu fundador é suspeito de ter cometido abusos sexuais contra seminaristas, além de utilizar identidades falsas para manter relações com diversas mulheres, com as quais teve três filhos, que também relataram terem sido molestados pelo próprio pai.

[b]Fonte: DCI[/b]