No mês do Ramadã comemora-se o momento mais importante na história do Islã, quando seu fundador, o Profeta Muhammad, aos 40 anos, teria recebido uma série de mensagens divinas através do anjo Gabriel. Essas revelações, mais tarde, foram organizadas nas páginas do Alcorão, livro sagrado do Islã.

Os cristãos que vivem em países muçulmanos são muito cautelosos ao praticar sua fé em Cristo, principalmente, durante o Ramadã. Esse é um momento especial do ano, quando os muçulmanos jejuam do nascer ao pôr do sol por um mês.

Em Bangladesh, a maioria dos restaurantes fecha, e durante o dia operam na estrita observância do que, descreveu Sarah*, uma cristã de 34 anos de idade, da capital Dhaka.

“Durante este mês, é ofensivo comer ou beber na presença de um muçulmano”, diz ela. “Certa vez, quando eu trabalhava para uma organização sem fins lucrativos, os meus colegas trouxeram comida ao escritório durante o Ramadã, porque a lanchonete estava fechada; me lembro que eles precisaram comer em segredo”.

Este ano o Ramadã terá início do dia 20 de julho e é aguardado ansiosamente por todos os muçulmanos do país.

“Embora eu não devesse dizer isso publicamente, tenho uma convicção pessoal de que, no mês do Ramadã os muçulmanos ficam mais sensíveis a se entregar a Cristo”, acrescentou.

“Os muçulmanos tratam o Ramadã com reverência,” compartilha Sarah, “e eles tendem a refletir mais e a estar mais sensíveis sobre as crenças e práticas islâmicas. Assim, durante o Ramadã, nós (cristãos) precisamos ter mais cuidado ao realizar atividades em nossas igrejas, especialmente seminários, treinamentos, e outros programas”.

Os cristãos de origem muçulmana, em Bangladesh, precisam ter muita cautela durante o Ramadã. Eles podem facilmente incomodar os muçulmanos do país, mesmo que ajam com amor e piedade. Considerados como apóstatas, esses cristãos são frequentemente expulsos de suas comunidades, deserdados e desprezados por suas famílias, e muitas vezes ameaçados de morte.

Ex-muçulmanos compõem cerca de 5% da população cristã de Bangladesh, que hojé é de 1,36 milhões. Eles estão legalmente livres para praticar sua fé em Cristo, mas devem fazê-lo com muita sensibilidade e precausão em suas comunidades de maioria muçulmana.

Pedidos de oração

• Ore por proteção do Senhor aos nossos irmãos e irmãs de Bangladesh, especialmente aqueles que são de origem muçulmana.

• Peça por sabedoria e discernimento aos cristãos Bengali ao se relacionarem com os muçulmanos durante o Ramadã.

• Ore pelos programas da Portas Abertas nas várias regiões de Bangladesh que beneficiam os ex-mulçumanos.

[b]Fonte: Missão Portas Abertas[/b]