Grupos cristãos no Reino Unido planejam realizar um dia de oração para os crentes no país norte Africano.

No meio da intensificação da agitação civil e repressão do governo no Egito, dois grupos cristãos no Reino Unido planejam realizar um dia de oração interdenominacional para os crentes no país norte Africano.

A Christian Solidarity Worldwide e United Action for Egyptian Christians para os Cristãos egípcios são anfitriões do dia de oração para os Cristãos no Egito, no sábado. Os participantes do evento de Londres vão orar pelos Cristãos perseguidos – 23 Cristãos coptas foram mortos e 80 feridos na véspera de Ano Novo em um bombardeio da Igreja – bem como para a estabilidade do país, dados os atuais tumultos e manifestações políticas em todo o Egito.

“O Egito está em um momento crítico em sua história e que é mais importante que nunca que nós juntemos os Cristãos no Egito, em oração pelo futuro do seu país,” disse Mervyn Thomas, chefe-executivo da Christian Solidarity Worldwide. “Estamos ansiosos para receber Cristãos de todas as denominações que se juntarem a nós em pé, em solidariedade com a Igreja no Egito, neste momento crucial.”

Milhares de egípcios tomaram as ruas nos últimos dias nas principais cidades do país para protestar contra o governo. Manifestantes no Cairo e Alexandria foram relatados terem jogado pedras contra as forças de segurança no Cairo, segundo a CNN. As forças policiais, em contrapartida, usaram armas gás lacrimogênio e água contra a multidão.

Os manifestantes estão protestando contra as restrições governamentais à liberdade e à falta de igualdade econômica. Houve um aumento do fosso entre ricos e pobres no Egito nos últimos anos. O presidente egípcio, Hosni Mubarak, que governa há 30 anos, é o alvo da ira do povo. Manifestantes exigem fim do regime autoritário de Mubarak.

“Estamos profundamente preocupados com o uso da violência pela polícia egípcia e forças de segurança contra os manifestantes e pedimos ao governo egípcio para fazer tudo ao seu alcance para conter as forças de segurança,” disse o secretário de Estado dos EUA, Hillary Clinton, na sexta-feira. “Ao mesmo tempo, os manifestantes também deve abster-se de violência e expressar-se de forma pacífica.”

Clinton disse que os protestos mostram “ressentimentos profundos na sociedade egípcia, o governo egípcio precisa entender que a violência não vai fazer essas queixas irem embora.”

Outros países árabes também têm visto revolta recentemente, incluindo na Jordânia, Iêmen, Argélia e Tunísia. O fator comum partilhado por manifestantes nesses países é que eles são, basicamente, todos os protestos pró-democracia.

“Todos querem o mesmo,” disse Emile Hokayem do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos, no Oriente Médio, à CNN. “Eles estão todos protestando contra as crescentes desigualdades, eles estão todos a protestar contra o nepotismo em crescimento. O topo da pirâmide estava ficando cada vez mais rico.”

Ela acrescentou: “Fundamentalmente, é uma questão de dignidade. Dignidade das pessoas que tem estado sob ataque por décadas.”

O Dia de Oração para o evento Egito em Londres neste sábado começará com um culto ecumênico conduzido pelo bispo Angaelos, chefe da Igreja Copta do Reino Unido, Dr. Raafat Girgis, um dos maiores especialistas na história do Cristianismo no Egito, e de Ibrahim Habib do Coptas Unidos da Grã-Bretanha, vão discutir a situação de tensão crescente que os Cristãos egípcios vivem.

Testemunhos de egípcios convertidos e adoração durante o evento será realizado em árabe e em Inglês.

[b]Fonte: Christian Post[/b]