Apenas cinco dias depois do batista Vyacheslav Kalataevsky ser sentenciado a três anos em um campo de trabalhos forçados, outro batista da cidade de Turkmenbashi foi detido.

A agência de notícias Forum 18 foi informada que Yevgeny Potolov – que lidera o Conselho de Igrejas Batistas na cidade – foi preso no dia 19 de maio e está no centro de detenção em Turkmenbashi.

Depois de Yevgeny deixar sua casa naquela manhã, sua esposa Nadezhda recebeu um telefonema no celular, aparentemente de seu marido. “Nadezhda entendeu que era ele, mas que ele não tinha tempo de dizer nada”, relataram alguns batistas.

Então outro homem telefonou, mas ela não conseguia entender o que ele dizia, mas pressentia que algo havia acontecido ao seu marido. Nadezhda e um amigo foram à delegacia saber se seu marido estava lá. Quando Yevgeny ouviu a voz de sua esposa, lhe gritou: “Cristo ressuscitou!”.

Os batistas disseram que, quando ela perguntou à polícia onde seu marido estava e do que ele estava sendo acusado, a informaram que o caso estava sob os cuidados da polícia secreta do Ministério da Segurança do Estado.

Yevgeny, de 36 anos, é cidadão russo e dirige uma congregação afiliada ao Conselho de Igrejas, o qual rejeita o registro de igrejas nas ex-repúblicas soviéticas. O Conselho acredita que o registro possibilita o Estado de intervir na vida interna da congregação e a restringir suas atividades.

Yevgeny e Vyacheslav foram privados de suas escrituras em junho de 2001, como punição por sua atividade religiosa em uma congregação batista não registrada. Eles foram levados pela polícia secreta e deixados na fronteira com o Cazaquistão sem documentos ou dinheiro.

Os batistas pedem orações e apelo pela liberdade de Yevgeny, para que sua escritura seja devolvida e para que ele possa retomar suas atividades na igreja.

Fonte: Portas Abertas