Uma rixa entre dois sacerdotes terminou em confusão no Retiro dos Artistas, em Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, e foi parar na delegacia.

Ao chegar, sábado, à capela da instituição, o padre Luiz Eduardo de Lima conta que foi cercado, insultado e agredido por um grupo de fiéis – incitados, segundo ele, pelo monsenhor Jan Kaleta, da Paróquia de Nossa Senhora de Fátima do Pechincha, que estava terminando de rezar missa. “Arrancaram o crucifixo do meu pescoço”, afirma o religioso, que deu queixa de lesão corporal na 41ª DP (Tanque).

Padre Luiz pertence à Igreja Vétero-Católica, uma dissidência da Apostólica Romana. A divisão, porém, é reconhecida pelo Vaticano e segue os mesmos rituais defendidos por Roma. Ele conta que foi convidado em março pela atriz Eloah Scovino a assumir a capela do Retiro, cujas missas, sob responsabilidade do monsenhor Jan, não eram rezadas há dois anos. “A gota d¿água foi no Natal. Padre Jan nos cobrou R$ 100 para presidir a missa campal. Não temos dinheiro. Foi o primeiro Natal sem a celebração”, lembra a atriz.

Padre Luiz afirma que o monsenhor incitou oito fiéis a atacá-lo. “Eles puxaram o crucifixo do meu pescoço. Disseram que sou um falso padre e me humilharam. Sou padre, sim. Tenho formação católica e sou reconhecido pelo Vaticano”, frisa o sacerdote. “Devolvi aos católicos daqui as missas semanais, os cursos de primeira comunhão e as atividades religiosas que estavam esquecidas há dois anos”, defendeu-se.

Missas Canceladas

A coordenadora do Retiro dos Artistas, Cida Cabral, pôs um ponto final na disputa. “Não vamos deixar que um problema pessoal atrapalhe as atividades de nossa paróquia. É uma capela particular e está aberta aos dois. Já que não é possível dividir, as missas estão canceladas”, decretou. Ela não quis comentar as acusações de agressão de padre Luiz.

Fonte:O Dia