Um padre acusado de ser um dos mandantes de um homicídio em Pombal, Sertão da Paraíba, e de ter mantido um relacionamento amoroso com uma fazendeira, foi impedido de celebrar missa na cidade de Recife, em Pernambuco.

Após uma longa batalha judicial, o arcebispo de Olinda e do Recife, dom José Cardoso Sobrinho, conseguiu um mandado de reintegração de posse da Paróquia de Água Fria, na Zona Norte da capital pernambucana, até então administrada pelo padre João Carlos Santana da Costa. O pároco teve de deixar a igreja em meio a um louvor, na tarde da última terça-feira, sob ordens de um oficial de Justiça.

Apesar das acusações, a assessoria de comunicação da arquidiocese pernambucana nega que o motivo principal do afastamento do padre tenha sido o homicídio. Segundo a assessoria, o período de administração paroquial de João Carlos já foi encerrado e, pelas normas da Cúria local, ele devia entregar a posse da igreja. A assessoria ainda informou que o padre procurou meios judiciais para derrubar a ordem, mas todos os recursos foram negados, resultando em seu afastamento. Para substituí-lo, foi convocado o padre Edmilson, que atualmente administra a Paróquia de Socorro, em Jaboatão dos Guararapes.

Os atritos envolvendo o padre João Carlos e a arquidiocese metropolitana do Recife não são recentes. A imprensa de Pernambuco já noticiou, em diversas oportunidades, registros de acusações entre o arcebispo dom José e o pároco. O ponto mais polêmico é justamente a acusação de que João Carlos teria mantido um relacionamento amoroso com a fazendeira Ivânia Olímpio de Almeida Queiroga e de que, junto a ela, seria o mandante de um homicídio ocorrido na cidade de Pombal, na Paraíba, em 1995.

O Tribunal de Justiça da Paraíba confirmou a existência do processo de homicídio doloso, com os nomes de Ivânia Olímpio e João Carlos como acusados. O caso foi registrado na 1ª Vara da cidade de Pombal e encontra-se arquivado desde maio de 2006. A arquidiocese de Olinda e do Recife silencia sobre o fato e nega que dom José tenha realizado qualquer denúncia dessa natureza contra João Carlos. Afastado da Paróquia de Água Fria, o padre agora permanece sem igreja para celebrar missas.

Fonte: Paraíba Online