O padre Fernando Karadima, condenado pelo Vaticano por abuso sexual de menores, depôs nesta quarta-feira (11) na justiça chilena na ação civil de suas vítimas contra a Igreja Católica por encobrir os crimes do sacerdote.

Karadima depôs por cerca de duas horas na Corte de Apelações de Santiago e saiu sem dar declarações. O padre “insistiu em negar os graves abusos pelos quais foi condenado pela igreja há cinco anos”, disse o advogado do arcebispado de Santiago, Nicolás Luco, no final do depoimento.

Esperávamos que “após este longo tempo ele viesse admitir estes atos diante das vítimas, da Igreja e do país”, acrescentou o advogado. O arcebispado de Santiago é processado pelas vítimas de abuso sexual cometidos por Karadima, que exigem uma indenização de 450 milhões de pesos (652 mil dólares), além de um pedido público de desculpas.

A ação acusa a Igreja chilena de acobertar os abusos sexuais cometidos por Karadima. A justiça chilena concluiu em 2010 pela prescrição do processo criminal contra o padre, mas o Vaticano declarou o padre culpado de abuso sexual, condenando-o “a retirar-se a uma vida de oração e penitência”.

[b]Fonte: FolhaPE[/b]