O padre Giovanne Garagiola, 74, conhecido como João de Deus, depôs nesta terça-feira na CPI da Pedofilia do Maranhão e negou as acusações de abuso sexual de três adolescentes, em Paço do Lumiar (MA). Hoje, os garotos têm mais de 18 anos.

O religioso atribuiu as acusações a pessoas da comunidade que não gostavam dele quando era pároco no município, localizado na região metropolitana de São Luís. Os garotos eram alunos de uma escola de música criada pelo padre.

Garagiola foi investigado em um inquérito policial, arquivado a pedido do Ministério Público do Estado, em 2005.

Segundo a deputada Eliziane Gama (PPS), presidente da CPI da Pedofilia da Assembleia maranhense, recentemente chegaram à comissão novos relatos relacionando o padre com o abuso de adolescentes. Dois depoimentos foram colhidos de forma reservada pela CPI.

A CPI da Pedofilia foi instalada em outubro do ano passado e deverá ser concluída até o próximo dia 13. Caso não seja possível concluir a investigação das acusações envolvendo o padre, a presidente CPI disse que irá enviar o caso à CPI da Pedofilia do Senado.

Fonte: Folha Online