A família de um garoto autista de 14 anos se diz vítima de preconceito por parte de um padre, que se negou a dar a primeira comunhão a ele.

O caso aconteceu no domingo, em Bom Princípio, cidade gaúcha de 12 mil habitantes a 68 km de Porto Alegre.

O pai, Letus Maldaner, 56, havia preparado uma festa para depois da missa em que um grupo de jovens receberia o sacramento, entre eles o filho, Cássio -o garoto tem autismo, transtorno de desenvolvimento que afeta principalmente a interação social.

Antes da celebração, porém, o padre Pedro Ritter, 45, avisou que Cássio não poderia ir ao altar para receber a hóstia -que representa, para os católicos, o corpo de Cristo.

O religioso argumenta que, em um ensaio, semanas antes, o garoto havia se recusado a abrir a boca, e que tomou a atitude para preservar a família de constrangimentos.

[b]REAÇÃO[/b]

Os Maldaner dizem que foram surpreendidos. Vizinhos e amigos também se indignaram. “Simplesmente ele chegou no dia e disse que não iria fazer a primeira comunhão. As catequistas ficaram chocadas”, afirma o pai.

Ritter nega preconceito e diz que deixou claro, duas semanas antes, que não podia dar o sacramento ao garoto. “Não posso abrir a boca à força para alguém receber a hóstia.”

Cássio, que frequenta uma escola para crianças com necessidades especiais, não passou pelo curso preparatório de dois anos para a primeira comunhão. O padre orientou a mãe para que ensinasse o significado do ritual ao filho.

Dom Paulo de Conto, bispo da Diocese de Montenegro, à qual a paróquia pertence, diz que vai analisar o caso. Segundo ele, o garoto deve receber a comunhão em breve, mediante “preparo especial”.

“A pessoa tem que ter um pouco de consciência [do que está acontecendo]”, diz.

Ele nega que tenha havido algum tipo de veto. “A eucaristia nunca foi negada, mas sim adiada.”

[b]Fonte: Folha de São Paulo[/b]