O juiz Durval José de Moraes Leme, de Rio Claro (a 175 km de São Paulo), condenou o padre Hélio de Oliveira a 16 anos e três meses de prisão pelo crime de pedofilia.

As família das vítimas – três estudantes da escola onde o padre era diretor – tiveram acesso à sentença na manhã desta segunda-feira (25). As primeiras denúncias contra o padre surgiram em 2004.

A coordenadora pedagógica da escola, Geni Percorari, também foi condenada a 13 anos e seis meses de prisão. O advogado Raimundo Barbosa, que representa os dois condenados, informou que até agora eles responderam ao processo em liberdade e que só vai ter acesso à sentença judicial nesta terça-feira (26). A sentença é em primeira instância e cabe recurso.

Fonte: Gazeta Online