O administrador paroquial dos municípios de Itamaracá e Itapissuma, na região metropolitana de Recife, Pernambuco, padre Rômolo Avagliano Rodrigues, de 46 anos, está sendo acusado em inquérito policial de atentado violento ao pudor e corrupção de menores porque, segundo a investigação, teria abusado de adolescentes que lhe auxiliavam nos serviços da igreja.

Três rapazes – um ex-funcionário da igreja em Itapissuma e dois ex-coroinhas – afirmam que foram assediados pelo sacerdote e que teriam trocado favores sexuais por jogos eletrônicos e telefones celulares.

Por meio do seu advogado, o religioso acusou ontem o encarregado do inquérito, delegado Aníbal Moura, de ter forjado provas para tirar proveito político da situação. Aníbal Moura, ex-chefe do Grupo de Operações Especiais da Polícia Civil (GOE), é um policial com carreira marcada por sucessos, mas também por investigações com resultados polêmicos.

Ele chefia hoje a Oitava Seccional da Polícia Civil, que abrange a região Norte da área metropolitana, onde estão as duas cidades (Itamaracá e Itapissuma). E está deixando o cargo na próxima segunda-feira para disputar a Prefeitura de Itapissuma, a 36 quilômetros da capital.

O padre diz ser vítima de “politicagem” e o seu advogado, Adelson Sobral, acusou ontem Moura de ter forjado provas para incriminar o sacerdote, que não pertence ao seu grupo político.

Fonte: A Gazeta