O padre espanhol Mariano de la Matta, que viveu 52 anos no Brasil, foi beatificado neste domingo (5), em cerimônia realizada na Catedral da Sé, no centro de São Paulo. O religioso chegou em 1931 ao país, onde morou até o ano de sua morte, em 1983.

A missa de beatificação foi celebrada na manhã deste domingo pelo cardeal José Saraiva Martins, prefeito da Congregação das Causas dos Santos e representante do Papa Bento XVI. O cardeal arcebispo de São Paulo, Dom Cláudio Hummes, concelebrou o evento.

Após o encerramento, o fiel João Paulo Polotto deu testemunho sobre seu caso à assembléia. Ele afirma ter sido salvo pelo padre quando menino, depois de ter sido atropelado por um caminhão. “Eu considero um milagre o que aconteceu comigo. Já conversei com os médicos que me atenderam e todos não entendem como estou aqui hoje”.

Polotto, então com seis anos de idade, teve traumatismo em dois pontos do crânio e conseguiu se recuperar em apenas quatro dias. A mãe dele, a ginecologista Eliane Lopes, de 48 anos, disse que se assustou na época com a rapidez da recuperação do filho e com a ausência de seqüelas. “O normal seria uma recuperação de, no mínimo, seis meses. Mas em quatro dias, ele já estava bem.” Segundo ela, o caso de João Paulo demonstra que “a fé potencializa a ciência”.

O processo de beatificação foi aberto em 31 de maio de 1997, pelo então Cardeal Dom Paulo Evaristo Arns. Este ano, o Papa Bento XVI reconheceu um milagre atribuído ao padre.

Essa foi a quarta beatificação de religiosos atuantes no Brasil. As outras foram do Frei Galvão, Padre Anchieta, Padre Reus e Madre Paulina, que também foi canonizada.

Fonte: G1