O cabeleireiro Jadir Mairink, pai da estudante Hávila Rodrigues Mairink, 15 anos, atingida por uma bala perdida na noite de sábado (13) em Vila Velha atribui a recuperação da filha a um milagre

“O próprio médico disse a mim e à minha esposa que aí tem a mão de Deus porque mais um pouquinho para frente (o projétil) encostaria no cérebro e com certeza ela não iria resistir. Para baixo ela poderia ficar paraplégica”, contou Jadir Mairink.

O corpo médico do Hospital Santa Mônica, responsável pela cirurgia realizada na adolescente, informou em coletiva, nesta segunda, que a menina pode ter os movimentos comprometidos. Os pais da jovem tinham sido informados, no entanto, que ela não sofreria nenhuma sequela.

A estudante foi atingida pelo disparo quando estava no quintal da casa de uma amiga em Soteco, Vila Velha. Elas se preparavam para ir à igreja, onde fariam uma apresentação de dança. Na rua, criminosos atiravam contra um rapaz, que morreu com cerca de 20 perfurações pelo corpo. Uma das balas atravessou o portão de madeira da residência e acertou a nuca da adolescente.

De acordo com o pai dela, os médicos informaram que a bala não precisa ser retirada. Ela continua internada no Centro de Tratamento Intensivo (CTI) do hospital Santa Mônica, ainda em Vila Velha, onde deve ficar em observação.

“Não temos segurança nem dentro de casa”

O pai da adolescente, se mostrando conformado e atribuindo a uma fatalidade o que aconteceu, disse que o problema da violência está relacionado à degradação de valores por parte das pessoas. “Isso foi uma fatalidade e poderia acontecer em qualquer lugar. O ser humano perdeu o respeito pela própria vida. Ele não quer saber se vai atingir alguém. Minhha filha foi atingida dentro de casa. Quer dizer, você não está seguro na sua própria casa”, disse.

O delegado Josemar Sperandio, responsável pelo caso, disse que policiais civis estão levantando informações sobre o crime e que não poderia passar mais dados para não atrapalhar as investigações.

Fonte: Gazeta online