O pai-de-santo Renato Barbosa Castro, apontado por testemunhas como o autor dos disparos que mataram o casal Patrícia de Souza Costa, 21 anos, e Evandro da Silva Fernandes, 25 anos, executados dentro da casa onde moravam, em São João de Meriti, na madrugada de desta quinta-feira, e poupado o filho das vítimas, um bebê de um ano e meio, foi assassinado por três homens na Piedade, zona norte do Rio, poucas horas após o assassinato.

O pai-de-santo estava indiciado pela morte de Tiago de Souza da Costa, 24 anos, irmão de Patrícia, assassinado em 11 de setembro, na Pavuna. Tiago trabalhava na residência de Renato e ficou amigo da mulher do pai-de-santo, que costumava freqüentar sua casa, em São João de Meriti. Em uma dessas visitas, ela conheceu um amigo de Tiago, com quem começou a namorar.

A mulher largou Renato e fugiu com o amigo de Tiago. Furioso, o pai-de-santo culpou o rapaz pela separação. Ele teria começado a perseguir o ex-empregado e, por último, o matado. O crime teria sido presenciada por Patrícia e estava sendo investigado pela 39ª DP (Pavuna).
Vingança

Apesar dos indícios e testemunhas, a polícia não conseguiu elucidar o caso, que passou a ser investigado pela Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHB). Mas o acusado continuou foragido. Na quarta-feria, ele teria reaparecido para poder se vingar de Patrícia.

Vizinhos disseram que o pai-de-santo chegou à Travessa Carmem Campos, em São Matheus, São João de Meriti, por volta de 1h30. Ele teria batido de casa em casa até chegar ao número 39, onde Patrícia e Evandro moravam, invadido o apartamento e executado os dois. Para a polícia, no entanto, quem atirou no casal teria sido outra pessoa e Renato teria ordenado o crime.

Ataque a centro espírita

Quase 10 horas após Patrícia e Evandro serem executados, Renato foi morto com seis tiros dentro do seu centro espírita, na rua João Pinheiro, na Piedade. Pelo menos três bandidos armados chegaram numa picape prata por volta das 12h30, com a cobertura de uma moto, invadiram o local e dispararam contra a vítima, que não resistiu aos ferimentos e morreu na hora.

No centro espírita, estavam dois homens que seriam funcionários de Renato. Um deles, Alexandre Ferreira Homem, levou seis tiros. Mesmo ferido, ele correu por 200 metros e entrou no River Futebol Clube, onde pediu ajuda. A outra pessoa pulou do terraço para a casa do vizinho para escapar dos pistoleiros.

Os bandidos fugiram dando tiros para o alto no meio da rua. Na casa, foram encontradas cápsulas de calibres 40, 380 e 9 mm.

Fonte: O Dia