Uma jovem de 16 anos de idade morreu ao ser estrangulada, provavelmente por seu pai, depois de uma briga familiar. Asqa Parvez recusava-se usar o hijab, véu utilizado pelas mulheres muçulmanas, segundo o jornal canadense National Post.

A polícia disse que recebeu a ligação de um homem na manhã de ontem que dizia ter matado sua filha, no subúrbio da cidade de Mississauga (Canadá). No local, encontraram a jovem deitada no chão, sem os sinais vitais. O pai da vítima, Muhammad Parvez, 57 anos, foi detido.

A polícia se recusa a entrar em detalhes sobre a investigação, que ainda está em fase inicial. Mas, de acordo com o jornal canadense, Asga chegou a ser socorrida e encaminhada a um hospital, porém não resistiu e acabou falecendo durante a noite.

Amigos da adolescente, que estudava na escola Applewood Heights, disseram estar chocados com o crime e afirmaram que a jovem já havia sido ameaçada pela família, que era extremamente rigorosa quanto aos hábitos religiosos. “Ela foi muito ameaçada por seu pai e por seu irmão”, disse Dominiquia Holmes-Thompson que estudou com ela no início do ensino médio.

Em setembro, Asga saiu de casa, mas voltou duas semanas depois, fazendo com que as brigas familiares se tornassem ainda piores.

Até o ano passado, ela vestia-se como as demais mulheres islâmicas, utilizando o tradicional véu. Segundo seus colegas, as desavenças começaram quando ela decidiu utilizar roupas como as de suas colegas da mesma idade, atitude com a qual o pai não concordava.

De acordo com os vizinhos, a família mudou-se para a cidade há pouco mais de um ano. Parvez e o filho, também chamado Muhammad, trabalhavam como motoristas. Outros membros da família foram interrogados e liberados pela polícia que segue investigando o caso.

Fonte: Terra