A promotora Viviane Damiani Valcanaia, que atua na área da infância e juventude na comarca de Balneário Piçarras (SC), pede na Justiça a destituição do poder familiar dos pais sobre duas crianças que aparecem em um vídeo caseiro recebendo aulas sobre como praticar um assalto.

O pedido, encaminhado à Justiça, pode dar início ao processo de adoção por uma outra família. As duas crianças estão afastadas da família desde a última sexta-feira (5). Elas foram encaminhadas para um local “seguro e sigiloso” por determinação da Justiça catarinense.

O vídeo mostra Rafael de Borba, 26, apontado como mentor de um sequestro ocorrido na semana passada, dando lições ao filho, de quatro anos, e a uma sobrinha, de três anos, sobre como usar uma arma de brinquedo para agredir, dar tiros e exigir dinheiro em um assalto. Uma boneca é usada na simulação.

As mães e a avó das crianças estão presas em Piçarras (SC). A polícia aponta a participação das mulheres no crime. Elas foram presas após a libertação dos reféns –uma professora e seu filho de três anos_, que estavam em um cativeiro em São Paulo. Borba e mais três suspeitos estavam foragidos até ontem à tarde.

Até a última sexta-feira, as crianças estavam sob os cuidados de um avô materno. A promotora diz que a medida visa afastar as crianças de um ambiente familiar “nocivo”. Como há foragidos, diz, as crianças podem ser envolvidas em um eventual tiroteio com policiais.

Valcanaia diz que vai fazer uma investigação “profunda” para saber se alguém da própria família pode ficar com elas.

“São crianças pequenas, com chances de ter uma vida digna. Conheço famílias de marginais que querem os filhos longe do crime. Nunca vi alguém estimular crianças para o crime.”

As imagens estavam em um computador apreendido na investigação. Foram gravadas, segundo a Polícia Civil, pela mãe do menino. Ela era camareira de um hotel em Penha (SC), onde o sequestro teve início.

Rafael de Borba, segundo a Polícia Civil, possui antecedentes criminais por tráfico de drogas e homicídio. A reportagem não localizou advogados da mulheres presas.

Fonte: Folha Online