O Papa Bento XVI aceitou nesta segunda-feira a renúncia do bispo irlandês de Benin City (Nigéria), Richard Anthony Burke, acusado de ter abusado de uma menor, e anunciou que enviará uma comissão para organizar a Igreja da Irlanda envolvida em inúmeros escândalos de pedofilia.

O bispo Burke renunciou depois de ter admitido que manteve relações sexuais com uma moça durante a década de 1980, apesar de assegurar que ela era maior de idade quando os fatos ocorreram, em uma carta enviada à revista Irish Catholic.

Bento XVI iniciou há dois meses a reestruturação da Igreja irlandesa depois dos escândalos que explodiram no início do ano neste país, e que provocaram em março a primeira carta pública de desculpas de um Sumo Pontífice.

As denúncias contra padres pedófilos foram por décadas ocultadas pela hierarquia da Igreja da Irlanda até que dois relatórios oficiais confirmaram os inúmeros abusos sexuais cometidos por padres contra menores de idade.

O Papa decidiu enviar quatro ‘visitadores apostólicos’, ou seja, inspetores, à Irlanda a fim de ajudar a Igreja local, em particular as dioceses mais afetadas pelos escândalos, Armagh, Dublin, Cashel e Emly.

Os inspetores deverão analisar a situação frente aos “trágicos casos de abusos cometidos com menores por sacerdotes e religiosos”, enfatiza um comunicado oficial da Santa Sé.

Os inspetores, um cardeal britânico e outro americano, e dois arcebispos irlandeses examinarão os casos de abusos, prestarão assistência às vítimas e verificarão a eficácia das medidas de prevenção adotadas, especifica a nota.

A investigação se estenderá para outras dioceses, indicou o Vaticano, que decidiu tal medida a fim de “assistir aos bispos, ao clero, aos religiosos e aos fieis”, afirma ainda o comunicado.

A “visita apostólica” foi anunciada pelo próprio Papa em 20 de março passado na carta pastoral dirigida aos católicos irlandeses.

Até agora, sete bispos e auxiliares irlandeses envolvidos nas investigações apresentaram renúncia a seus cargos, dos quais cinco já foram aceitas pelo Papa.

Outras denúncias foram feitas em vários países da Europa, e também no Brasil, Chile e principalmente Estados Unidos.

Fonte: AFP