O papa Bento 16, criticado na América Latina por ter declarado que a Igreja purificou os índios, admitiu nesta quarta-feira que houve injustiças durante a colonização do continente americano.

Ainda assim, ele não chegou a pedir desculpas, como havia sido exigido por alguns líderes, incluindo o presidente venezuelano Hugo Chávez.

“Embora não negligenciemos as diversas injustiças e sofrimento que acompanharam a colonização, o Evangelho expressou e continua a expressar a identidade dos povos nesta região”, disse o pontífice.

Chávez acusou o papa de ignorar o “holocausto” que se seguiu à chegada de Cristóvão Colombo à América, em 1492.

No Brasil, líderes indígenas afirmaram ter se ofendido pelos comentários “arrogantes e desrespeitosos” de Bento 16.

Em discurso para bispos latino-americanos e do Caribe no encerramento de sua visita ao Brasil, o pontífice afirmou que a Igreja não havia se imposto aos povos indígenas das Américas. Segundo o papa, os índios receberam bem os padres europeus, já que “Cristo era o salvador que esperavam silenciosamente”.

Fonte: Reuters