O Papa Bento XVI disse neste domingo que fazer penitência e corrigir a conduta são os caminhos mais eficazes para a melhora de si mesmo e da sociedade.

O Pontífice acrescentou que as pessoas e as comunidades que vivem sem se questionar têm como único destino a ruína.

As declarações de Bento XVI foram feitas a aproximadamente 60.000 pessoas que assistiram, na Praça de São Pedro, à reza do Ângelus dominical, durante a qual foram feitas referências à conversão neste tempo de quaresma.

O Bispo de Roma destacou que Jesus propõe a conversão não como uma necessidade em termos morais, “mas (uma em termos) bem reais”, como a única resposta adequada às circunstâncias que põem em crise as certezas humanas.

“Frente a algumas desgraças, não adianta jogar a culpa nas vítimas. A verdadeira sabedoria está em assumir um comportamento de responsabilidade: fazer penitência e melhorar nossa vida. Esta é a resposta mais eficaz contra o mal nos âmbitos pessoal, social e internacional”, afirmou.

O Pontífice acrescentou que é preciso rebater o mal, antes de tudo, com um “sério exame de consciência” e com o compromisso de purificar a vida.

“Se não for desta forma, ressaltou, as pessoas e as sociedades que jamais se questionam ou se colocam em contradição têm como único fim a ruína. A conversão permite o enfrentamento dos problemas e das desgraças de outra maneira, e, sobretudo, ajuda a prevenir o mal e a anular suas ameaças”.

Durante a missa, Bento XVI se mostrou seguro de que a conversão vence o mal na sua raiz, a qual chamou de “pecado”, embora tenha reconhecido que nem sempre as conseqüências podem ser evitadas.

O Pontífice pediu a ajuda da mãe de Jesus, Maria, para que o homem “possa compreender que fazer penitência e corrigir a própria conduta não são simples moralismos, mas os caminhos mais eficazes para melhorar a si mesmo e a sociedade”.

O Papa lembrou que seu antecessor, João Paulo II, interpreta de maneira muito eficaz o provérbio “Vale mais acender um fósforo que amaldiçoar a escuridão”.

Como é rotina, após o Ângelus, Bento XVI falou em diferentes idiomas e concluiu a missa convidando todos à conversão.

Fonte: EFE