O papa Bento 16 afirmou na quinta-feira que o diálogo entre cristãos, muçulmanos e judeus é vital, e pediu aos cristãos do Oriente Médio que não abandonem a região.

“O diálogo inter-religioso e intercultural não é só uma opção, mas é uma necessidade vital dos nossos tempos”, disse ele a membros de uma fundação para o diálogo inter-religioso.

Os cristãos precisam encontrar “os laços que os unem” com as duas outras grandes religiões monoteístas.

No ano passado, um discurso em que o papa dava a entender uma ligação entre Islã e violência provocou reações indignadas de muçulmanos em todo o mundo. Bento 16 afirma ter sido mal-interpretado, e conseguiu reverter grande parte da má impressão durante a recente viagem à Turquia.

Em outro pronunciamento, o pontífice se disse profundamente preocupado com a violência no Oriente Médio e com o futuro dos cristãos da região. “As minorias cristãs acham difícil a sobrevivência no meio de um panorama geopolítico tão volátil, e frequentemente são tentadas a emigrar”, afirmou.

“Nessas circunstâncias, os cristãos de todas as tradições e comunidades no Oriente Médio são chamados a serem corajosos e confiantes no poder do espírito de Cristo”, declarou.

Bento 16 disse que espera visitar a Terra Santa assim que a situação permitir, pois já tem convites nesse sentido das autoridades israelenses e palestinas.

Fonte: Reuters