O papa Francisco denunciou nesta quinta-feira a discriminação contra cristãos, inclusive em países onde a liberdade religiosa é, teoricamente, garantida por lei.

O pontífice realizou a tradicional oração de meio-dia e discursou para milhares de pessoas reunidas na Praça de São Pedro no dia em que a Igreja Católica celebra Santo Estêvão, o primeiro mártir do cristianismo.

O papa argentino, de 77 anos, pediu à multidão um minuto de oração silenciosa pelos “cristão que são injustamente acusados e alvo de todo tipo de violência”.

Francisco, que celebra o Natal pela primeira vez como papa, disse que “limitações e discriminações” contra os cristãos acontecem não apenas em países que não garantem a liberdade religiosa completa, mas também em lugares onde “no papel, a liberdade e os direitos humanos são protegidos”.

“Essa injustiça precisa ser denunciada e eliminada”, afirmou.

Francisco não especificou nenhum país, mas o Vaticano há bastante tempo pede que a Arábia Saudita, onde ficam os lugares mais sagrados do islamismo, suspenda as restrições a orações de cristãos em público.

Diversos incidentes de intolerância religiosa aconteceram em 2013 em países com minoria cristã como Egito, Indonésia, Iraque, Sudão, Nigéria e outros lugares onde os direitos são protegidos por lei.

Francisco, saindo do discurso preparado, disse ter certeza que os cristãos que sofrem com discriminação e violência “são mais numerosos hoje do que nos primeiros dias da Igreja”.

No passado, o Vaticano já manifestou preocupação com o que o ex-papa Bento 16 descreveu como as “formas sofisticadas de hostilidade” contra os cristão em países ricos, como restringir o uso de símbolos religiosos em locais públicos.

[b]Papa Francisco faz apelo pela união de crentes e ateus[/b]

Comemorando seu primeiro Natal como líder da Igreja Católica, o Papa Francisco pediu nesta quarta-feira pela união de ateus e crentes de todas as religiões como forma de espalhar a paz ao redor do mundo.

Falando para cerca de 70 mil pessoas a partir da varanda da Basílica de São Pedro, o mesmo local de onde emergiu para o mundo quando foi eleito papa, Francisco novamente apelou para a salvação do meio ambiente da “ganância humana e da rapacidade”.

O papa disse que pessoas de outras religiões também rezam pela paz, e pediu pela união de crentes e ateus.

“Eu convido até os descrentes para desejar a paz. (Junte-se a nós) com seu desejo, um desejo que alarga o coração. Vamos todos nos unir, seja com preces ou desejo, mas todos pela paz”, afirmou Francisco, sendo ovacionado pela plateia.

A aproximação do Papa Francisco aos ateus e pessoas de outras religiões marca um contraste com a atitude do Papa Bento XVI, do papado anterior, que às vezes relegava não católicos a crentes de segunda classe.

Francisco pediu também pela “harmonia social do Sudão do Sul, onde as recentes tensões causaram inúmeras vítimas e são uma ameaça para a coexistência pacífica naquele jovem país”.

[b]Fonte: Reuters[/b]