O Papa Bento XVI denunciou nesta sexta-feira que muitos dos conteúdos transmitidos pelos meios de comunicação “são destrutivos”, durante a audiência com membros do Conselho Pontifício para as Comunicações Sociais.

“Muito do que se transmite de várias formas às casas de milhões de famílias de todo o mundo é destrutivo”, disse Bento XVI.

O Papa denunciou também “a concentração crescente dos meios de comunicação nas mãos de uns poucos conglomerados multinacionais, cuja influência cruza todas as fronteiras sociais e culturais”.

O Santo Padre reconheceu ainda que o uso de meios de comunicação como a internet “abriu um mundo de conhecimento e estudo” a pessoas que antes não podiam ter acesso a isto e que “tais contribuições para o bem comum devem ser aplaudidas e encorajadas”.

Além disso, o Pontífice destacou o valor para a civilização de outros conteúdos da comunicação, como os documentários, filmes de qualidade, serviços de notícias, debates que façam pensar e entrevistas.

Segundo o Papa, “o campo das comunicações sociais está mudando rapidamente” e “enquanto a imprensa escrita luta para manter-se em circulação, outras formas de comunicação, como o rádio, a televisão e a internet, se desenvolvem de uma maneira extraordinária”.

Bento XVI lembrou a mensagem transmitida na Jornada das Comunicações, dedicada aos jovens e à mídia, na qual pedia “responsabilidade” aos responsáveis pelo setor.

O Pontífice renovou o chamado aos “líderes da indústria dos meios de comunicação” para que aconselhem os produtores “a salvaguardar o bem comum, manter a verdade, proteger a dignidade individual humana e promover o respeito às necessidades da família”.

Fonte: EFE