O papa Bento 16 e o arcebispo de Canterbury, Rowan Williams, discutiram relações entre o cristianismo e o islamismo nesta segunda-feira, em seu primeiro encontro desde que o líder anglicano causou furor com seus comentários sobre a lei Sharia na Grã-Bretanha.

O Vaticano disse que o papa recebeu Rowan Williams em uma audiência privada mas não deu detalhes.

Um porta-voz anglicano afirmou que os dois conversaram em privacidade por 20 minutos e discutiram sobre relações entre cristãos e muçulmanos, diálogos entre crenças e sobre as impressões do papa sobre sua visita aos Estados Unidos no mês passado.

Ele descreveu a visita, o segundo encontro oficial entre o papa e o líder espiritual dos 77 milhões de anglicanos no mundo, como “acalorada e amigável”.

Em março, o cardeal Jean-Louis Tauran, principal responsável do Vaticano para as relações com o Islã, criticou Williams chamando-o de equivocado e “ingênuo” por ter sugerido que seria inevitável que alguns aspectos da Sharia, a lei islâmica, fossem adotados na Grã-Bretanha.

Os comentários de Williams, feitos em um discurso em fevereiro, causaram confusão na Inglaterra e no mundo e se tornaram parte de um debate sobre como integrar os 1,8 milhão de muçulmanos da Grã-Bretanha.

Relações entre as igrejas Católica e Anglicana foram prejudicadas na última década por divergências sobre padres mulheres e bispos homossexuais na igreja Anglicana, o que ambos os líderes reconheceram como obstáculos para a união.

Fonte: Reuters