Para o papa, o casamento e a família correm riscos atualmente, devido “à erosão dos valores mais íntimos”.

O papa Bento 16 disse nesta quinta-feira que a Europa “não seria mais a mesma se o casamento entre homem e mulher desaparecesse ou se tornasse outra forma de união sem base na história, na cultura e no direito europeu”.

O pontífice fez esta defesa do casamento tradicional no discurso que dirigiu ao novo embaixador da Hungria perante a Santa Sé, Gábor Gyorivanyi, e auspiciou que a nova Constituição húngara “se inspire nos valores cristãos”.

Entre esses valores destacou o casamento, a família e a proteção da vida.

O pontífice afirmou que o casamento e a família são imprescindíveis para um desenvolvimento “saudável” da sociedade civil, dos países e dos povos.

“O casamento deu à Europa seu aspecto e humanismo. A Europa não seria mais a mesma se essa célula básica da sua construção social desaparecesse ou fosse transformada”, ressaltou o papa.

Bento 16 acrescentou que o casamento e a família correm riscos atualmente, devido “à erosão dos valores mais íntimos e à crescente liberalização do direito ao divórcio e do costume cada vez mais divulgado da convivência entre homem e mulher sem uma forma jurídica e a proteção do casamento”.

Também incluiu entre os “riscos” as “uniões que não têm nenhuma base na história, na cultura e no direito”, em uma velada crítica aos casamentos homossexuais.

“A Igreja não pode aprovar iniciativas legislativas que impliquem numa valorização de modelos alternativos de vida conjugal e de família. Essas iniciativas contribuem para debilitar os princípios do direito natural e da sociedade”, ressaltou.

[b]Fonte: Folha Online
[/b]