O papa Bento 16 afirmou neste sábado que mesmo a madre Teresa de Calcutá, apesar de seu grande espírito de caridade e de sua fé, “sofreu com o silêncio de Deus”.

O papa, em um pronunciamento feito para uma multidão de jovens na região central da Itália, referia-se a um novo livro segundo o qual a freira católica enfrentou grandes questionamentos quanto a sua fé e passou por períodos de dúvida a respeito da existência de Deus.

O fato de o papa ter descrito as dúvidas de madre Teresa a respeito do “silêncio de Deus” como não sendo algo incomum é importante diante das especulações de que cartas escritas pela religiosa poderiam abalar o processo para santificá-la.

“Todos os fiéis conhecem a questão do silêncio de Deus”, afirmou o papa. “Até mesmo a madre Teresa, com toda a sua caridade e toda a força de sua fé, sofreu com o silêncio de Deus”, afirmou.

Segundo Bento 16, os fiéis, algumas vezes, precisam enfrentar o “silêncio de Deus” a fim de compreender a situação das pessoas que não têm fé.

O livro “Mother Teresa: Come Be My Light”, que será lançado no dia 4 de setembro, é uma coleção de cartas escrita pela freira para colegas e superiores dela ao longo de 66 anos.

A religiosa, nascida na Albânia e que dedicou sua vida aos pobres, doentes e moribundos, morreu em 1997, aos 87 anos.

A madre Teresa desejava que todas as suas cartas fossem destruídas, mas o Vaticano ordenou a preservação dos escritos porque seriam possíveis relíquias de um santo, afirmou um porta-voz da Doubleday, a editora norte-americana responsável pela publicação.

A freira foi beatificada, mas ainda não foi tornada santa.

A revista Time, que possui os direitos de divulgação do livro, reproduziu trechos dele em seu site, no mês passado. Quando visitou o antigo campo de concentração de Auschwitz, no ano passado, o pontífice, nascido na Alemanha, perguntou por que Deus havia ficado em silêncio enquanto 1,5 milhão de pessoas, em sua maioria judeus, eram mortas naquele lugar.

Fonte: Reuters