Bento XVI pediu ontem que o novo ordenamento constitucional do Equador leve em conta “as mais amplas garantias para a liberdade religiosa” no país, uma condição fundamental de sua missão como Pontífice.

O Papa fez as declarações em discurso ao novo embaixador do Equador na Santa Sé, Fausto Cordovez, que hoje apresentou suas cartas credenciais.

O Pontífice disse que “além de ser um direito inalienável, a liberdade de ação da Igreja Católica é condição primordial para a sua missão perante o povo, inclusive em circunstâncias difíceis”.

Bento XVI afirmou que deseja que os equatorianos “possam desfrutar de todos os direitos, com as correspondentes obrigações, obtendo melhores condições de vida e um acesso mais fácil à moradia digna, trabalho, educação e saúde”.

Cordovez assegurou ao Papa que o presidente do Equador, Rafael Correa, está “empenhado em realizar uma transformação fundamental” das estruturas do país para assim atender às aspirações da maioria do povo equatoriano.

Fonte: EFE