Papa Francisco pensativo
Papa Francisco pensativo

O papa Francisco recomendou aos bispos italianos que não aceitem seminaristas gays, afirmou nesta quinta-feira (24) a coluna Vatican Insider do jornal italiano La Stampa.

“Fiquem de olho nas admissões aos seminários, deixem os olhos abertos”, disse Francisco, segundo o jornal. “Se tiverem dúvidas, é melhor que eles não entrem.”

A recomendação teria sido feita em reunião a portas fechadas da Conferência dos Bispos Italianos, no Vaticano, que durou cerca de três horas, na segunda-feira (21).

O papa expressou preocupação de que, quando as tendências homossexuais estão “profundamente enraizadas”, a pessoa pode ser levada a “atos homossexuais” que podem comprometer a vida do seminário, bem como a do próprio jovem e seu possível futuro sacerdócio.

Segundo o papa, isso pode gerar “escândalos” que desfiguram o rosto da igreja, afirmou o La Stampa.

O encontro ocorreu apenas um dia depois que um homem chileno vítima de abuso sexual por membros da Igreja Católica afirmou que o papa lhe disse, em conversa privada, que Deus o havia feito gay e o amava daquela maneira.

O Vaticano não quis comentar a reportagem.

As declarações devem animar conservadores dentro da igreja que têm ficado alarmados sobre a mudança na linguagem em torno da homossexualidade, implementada por Francisco.

Em 2013, o papa havia dito que “se uma pessoa é gay e busca a Deus, quem sou eu para julgar?”.

A Igreja Católica considera a homossexualidade uma desordem imoral.

Em um documento de 2005, divulgada pelo predecessor de Francisco, o papa Bento 16, o Vaticano disse que a igreja poderia admitir para o sacerdócio pessoas que haviam “superado” suas “tendências homossexuais” por pelo menos três anos.

Porém, documento de 2016 chamado Ratio Fundamentalis diz que: “No que diz respeito às pessoas com tendências homossexuais que vêm para os seminários, ou a descobrem no curso desta formação, em coerência com o seu magistério, a igreja, embora respeitando profundamente as pessoas em questão, não pode admitir ao seminário e às ordens sagradas aqueles que praticam a homossexualidade, apresentam tendências homossexuais profundamente arraigadas ou apoiam a chamada cultura gay ”.

O documento determina ainda que os superiores devem ser informados da homossexualidade pelos seminaristas.

Fonte: Reuters via Folha de São Paulo