O papa Francisco surpreendeu ontem os fiéis que estavam reunidos na Praça de São Pedro, no Vaticano, com a notícia da convocação de um Consistório, a ser realizado em 19 de novembro, para a nomeação de 17 novos cardeais, entre os quais o brasileiro Sérgio da Rocha, arcebispo de Brasília e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

“Com alegria, anuncio que sábado, 19 de novembro, na véspera do fechamento da Porta Santa da Misericórdia, realizarei um Consistório para nomear 13 novos cardeais, de cinco continentes. Sua proveniência, de 11 nações, expressa a universalidade da Igreja que anuncia e testemunha a Boa Nova da Misericórdia de Deus em todos os cantos da terra. A inclusão dos cardeais na diocese de Roma manifesta a inseparável relação entre a Sé de Pedro e as Igrejas particulares”, disse o papa, na Praça de São Pedro.

Paulista de Dobrada, região de Matão, o novo cardeal completará 58 anos no próximo dia 17. O Brasil passará a ter agora 11 cardeais – cinco deles eleitores num eventual conclave para eleição do papa e seis não eleitores, por terem feito 80 anos.

D. Sérgio fez uma carreira rápida na Igreja. Ordenado padre em 1984, foi nomeado bispo auxiliar de Fortaleza em 2001 e arcebispo coadjutor de Teresina em 2007, passando a arcebispo no ano seguinte. Em 2011, foi transferido para a Arquidiocese de Brasília. Entre outras funções, foi membro da Comissão Episcopal do Mutirão da Superação da Miséria e da Fome, da CNBB. Fez o curso de Filosofia no seminário de São Carlos e o Teologia na Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Mestre em Teologia Moral pela Faculdade Nossa Senhora da Assunção em São Paulo, é doutor em Teologia Moral pela Academia Alfonsiana, de Roma.

Além de 13 cardeais na ativa, o papa Francisco também nomeou mais quatro – sendo três bispos eméritos ou aposentados e um padre. “Eles representam muitos bispos e sacerdotes que em toda a Igreja edificam o povo de Deus, anunciando o amor misericordioso de Deus no cuidado cotidiano do rebanho do Senhor e na confissão de fé”, afirmou Francisco.

No dia 20, na Solenidade de Cristo Rei, conclusão do Ano Santo Extraordinário da Misericórdia, o papa concelebrará a missa com os cardeais, o Colégio Cardinalício, arcebispos, bispos e presbíteros, no Vaticano.

Eleitores. Com a criação dos 13 cardeais com direito a votar na eleição de um novo papa, a Igreja passará a ter 124 eleitores – hoje são 111. Quatro dos atuais, entre os quais o arcebispo de Aparecida, d. Raymundo Damasceno Assis, completarão 80 anos até fevereiro de 2017.

[b]Fonte: Estadão[/b]