O Papa Bento XVI censurou nesta terça-feira as teorias “irracionais” que explicam a existência da humanidade como resultado do acaso, durante uma missa aberta celebrada na manhã desta terça-feira em Ratisbona, sul da Alemanha.

O Sumo Pontífice advertiu ainda que a ciência precisa referir-se a Deus para entender a origem do mundo.

“O que existe na origem? A razão criadora, o espírito que opera em tudo e proporciona o desenvolvimento, ou a irracionalidade que, despojada de toda razão, produz estranhamente um universo ordenado de maneira matemática, assim como o Homem e sua razão?, questinou o Papa.

“Neste caso, seria então apenas o resultado casual da evolução e, portanto, no fundo, também algo irracional”, disse o chefe da Igreja Católica e ex-professor de teologia dogmática na Universidade de Ratisbona, na Baviera.

O Papa foi além: “Apesar de uma parte da ciência se dedicar desde o século do iluminismo a buscar uma explicação ao mundo na qual Deus seria supérfluo, nunca conseguiu porque os cálculos não fecham”.

“Sem Deus, os cálculos sobre o homem não encaixam e os cálculos sobre o mundo, sobre todo o vasto universo, não encaixam sem Ele”, acrescentou.

O Sumo Pontífice fez a crítica à ciência durante a terceira e última missa ao ar livre da viagem de seis dias à Baviera natal, que chegará ao fim na quinta-feira.

Papa afirma que o fanatismo destrói a imagem de Deus

O Papa Bento XVI afirmou que o ódio e o fanatismo destroem a imagem de Deus e que é urgente dizer com clareza em que Deus acreditamos, durante uma missa aberta celebrada na manhã desta terça-feira em Ratisbona, sul da Alemanha.

“Hoje em dia, em que existem patologias e doenças fatais da religião e da razão, destruições da imagem de Deus por causa do ódio e do fanatismo, é importante dizer com clareza em que Deus acreditamos”, disse.

O Papa alemão falou para 250.000 fiéis reunidos na esplanada de Islinger Feld de Ratisbona, cem quilômetros ao norte de Munique, a capital bávara.

“Apenas isto pode nos libertar do medo de Deus, um sentimento do qual nasce definitivo o ateísmo moderno. Somente este Deus nos salva do medo do mundo e da angústia diante do vazio de nossa própria existência”, acrescentou o Sumo Pontífice em um altar próximo a uma imensa cruz.

Esta é a terceira e última missa ao ar livre da viagem papal de seis dias à Baviera natal, que chegará ao fim na quinta-feira. Bento XVI já havia falado para multidões em Munique e Altötting.

Fonte: AFP