O Papa Pio XII (1939-1958) escreveu que em 1950, enquanto passeava pelos jardins do Vaticano, e um dia antes de proclamar o dogma mariano da Assunção, assistiu ao “milagre” do “sol que dança”, o mesmo fenômeno que a Igreja Católica diz ter acontecido após as aparições de Nossa Senhora de Fátima.

A declaração foi publicada nesta quinta-feira no diário italiano “Il Giornale”, que cita um manuscrito inédito de Pio XII, no qual o Pontífice explica que considerou o episódio “uma confirmação celestial” à proclamação do dogma mariano da Assunção, no dia 1º de novembro de 1950.

O chamado “milagre do sol que dança”, segundo explica a Igreja Católica, aconteceu em 1917 após as aparições de Nossa Senhora aos pastores de Fátima (Portugal), já que tinha prometido às crianças um sinal para que todos pudessem acreditar.

As pessoas que foram ao local, onde os três primos diziam ter visto Nossa Senhora, asseguraram que viram o sol que se movimentava e “dançava” diante deles.

“Em um certo momento, olhei para o céu e fui surpreendido perante um fenômeno que nunca tinha visto. O sol, que já estava alto, me apareceu como um globo opaco, amarelado, rodeado de um círculo luminoso mas que não me impedia de olhá-lo atentamente”, escreveu o Papa Eugenio Pacelli.

Pio XII explicou ainda como viu o globo opaco girando em torno dele mesmo, movimentando-se ligeiramente para a direita e para a esquerda, repetidamente.

Essa confissão, escreve o jornal, está escrita a lápis na parte de trás de uma folha, e foi feita no último período de sua vida.

O documento, inédito, será exposto em uma exposição que o Vaticano dedicará a Pio XII em novembro, quando se cumprirão os 50 anos de sua morte.

Fonte: EFE