“Quando era jovem eu queria ter escrito uma história sobre gatos, agora são os gatos que escrevem minha história”, assim respondeu o Papa Bento XVI quando ontem foi presenteado com “Joseph e Chico”, um livro para crianças no qual um gato conta a vida do Pontífice.

A editora religiosa “Messaggero Padova” afirmou que a frase foi dita pelo Papa ao receber o livro após a audiência geral, das mãos da escritora Jeanne Perego e da ilustradora Donata Dal Molin Casagrande.

Bento XVI afirmou que já havia lido o livro “com muita atenção” e que gostou muito das ilustrações. Da sua biografia destacou a parte relativa à “dramática experiência” vivida durante a Segunda Guerra Mundial.

Após o Pontífice, seu secretário pessoal, Georg Gänswein, que escreveu a introdução do volume, assistiu feliz à entrega do livro.

“Chico”, como conta na história, não é um gato qualquer, mas sim um dos animais de estimação da infância de Joseph Ratzinger. É o gato quem conta a biografia do Papa desde o nascimento do Pontífice, os anos do seminário e a ordenação sacerdotal até os dias em que foi eleito Papa.

“Quantas coisas são escritas e ditas todos os dias sobre o Papa.

Mas aqui, queridas crianças, vocês encontram uma biografia diferente das outras porque quem a conta é um gato, e não é todos os dias que um gato considera o Santo Padre seu amigo e escreve sua história”, diz na introdução o secretário do Papa.

O famoso gato vermelho utiliza uma linguagem divertida e coloquial além de grandes ilustrações de Joseph Ratzinger quando criança e adolescente.

Gänswein comenta que Chico e Bento XVI se conhecem há muitos anos. E que por isso, tudo o que é contado no livro é “verdade e muito interessante”, principalmente por ser revelado sob o ponto de vista de um gato.

Enquanto isso Chico explica aos leitores: “Sabe por que fiquei sabendo que é um grande amigo dos gatos? Porque no jardim de sua casa na Alemanha fez colocar uma escultura representando um gato”.

Chico continua, explicando que agora, além de ser amigo do Pontífice, “é o grande amigo e guia de todos os católicos”.

Algumas lembranças da infância são recriadas no livro, como quando enquanto brincava com seus irmãos caiu em um lago e “se não tivesse sido salvo a tempo teria se afogado”, ou quando aprendeu a tocar piano, uma de suas paixões.

O volume foi apresentado na última Feira do Livro de Frankfurt.

Fonte: EFE