O papa Bento XVI assinou o documento pelo qual autorizará a realização de missas em latim, e será publicado em uma data “muito próxima”, segundo a agência “Ansa”, que cita fontes da Pontifícia Comissão “Ecclesia Dei”.

O documento “Motu Proprio”, que o Pontífice redigiu por decisão pessoal e que contém a normativa sobre as missas em latim, será de “de três páginas”, de acordo com a mesma fonte.

A missa em latim de São Pio V, também conhecida como tridentina, foi realizada no âmbito católico até 1962, data em que a Igreja, após o Concílio Vaticano II, autorizou que esse ofício religioso acontecesse nas diferentes línguas vernáculas.

O Vaticano também determinou então que a pessoa que celebrasse estivesse diante dos fiéis, o que obrigou a colocar os novos altares em uma zona mais próxima aos presentes nas missas.

Pelo contrário, na missa de São Pio V, o sacerdote está de costas para os fiéis e dirige suas orações para o sacrário. Só se volta quando pede aos presentes que rezem com as imprecações do “Orate frates!” (Orem, irmãos!), no “Dominus vobiscum” (O senhor esteja convosco), durante a conversa (em língua vernácula), para dar a comunhão e para dar a bênção final.

Embora nunca tenha sido oficialmente suspensa, a missa tridentina caiu em desuso apesar de, em 1982, o Papa João Paulo II ter decretado que, para oficiá-la, era preciso recolher assinaturas previamente e pedir a permissão ao bispo da diocese, que tinha a faculdade de rejeitar o pedido.

Fonte: EFE