Pesquisa feita pelo Ibope revela que a elite empresarial brasileira perdeu confiança na televisão e não acredita numa melhora dos níveis de violência e sexo na programação.

A pesquisa foi feita em julho com 537 executivos de 381 grandes empresas nacionais. Representa dois terços do “top management” do país. Seu principal objetivo era saber o que eles pensam sobre sustentabilidade e responsabilidade social. A margem de erro é de cinco pontos percentuais.

Sexo e violência na TV foram incluídos em lista dos “problemas crônicos do país”, ao lado de moradia, pobreza e drogas.

Para 48% dos entrevistados, a violência e o sexo na televisão vão piorar -em 2005, esses percentuais eram, respectivamente, de 51% e 52%. Os que acreditam que os níveis vão se manter iguais, que eram de 35%, passaram a 45%. Em contrapartida, os que acham que a violência (14%) e o sexo (13%) vão melhorar agora são só 7%.

A confiabilidade plena na TV aberta, que era de 61% em 2005, foi reduzida para 52%. A TV também perdeu “eficiência”. Com ela, há dois anos alcançava-se o que se buscava para 65% dos executivos. Hoje, só para 49%. Já a internet, que era vista como eficiente por apenas 29%, hoje satisfaz 75%. “As mídias modernas subiram em eficiência e as tradicionais perderam”, conclui Paula Soria, diretora de atendimento e planejamento do Ibope Inteligência.

Fonte: Folha de São Paulo