Dois evangelistas disseram ter sobrevivido a um ataque no distrito de Balaghat, Madhya Pradesh, na Índia, ao se fingirem de mortos quando extremistas hindus os cercaram e os agrediram.

Os seis agressores acusaram Mahindra Kharoley, 20, e Munshi Prasaad Bahey, 30, de converter pessoas à força.

Os dois evangelistas estavam voltando para casa de bicicleta no vilarejo de Susua após uma reunião de oração em Dunda Sivni, quando os agressores, de motocicletas, rostos cobertos, os atacaram. Eles nem esperaram as justificativas dos cristãos, e logo começaram a agredi-los.

“Eles bateram minha cabeça na calçada, e me chutaram”, conta Bahey, cujas roupas ficaram ensopadas de sangue. Kharoley teve ferimentos na cabeça, peito, e corpo, e fraturou o braço.

“Ficamos lá, deitados, e fingimos que estávamos mortos, após 20 minutos sendo agredidos”, conta Kharoley.

Bahey acrescenta: “Se não tivéssemos feito isso, eles teriam nos matado”.

Bahey ouviu um dos agressores falar: “Mahesh, pare de bater neles, eles já estão mortos. Vamos sair daqui!”.

Kharoley e Bahey ligaram para seu companheiro evangelista Kamlesh Nagpure ir buscá-los, mas eles conseguiram chegar sozinhos no vilarejo.

“Não podíamos esperar Kamlesh chegar. Precisávamos de atendimento médico imediato”.

Eles foram levados para um centro de saúde em Kirnapur, e depois transferidos para um hospital em Balaghat, para realizar diversos exames.

A polícia de Kirnapur aceitou a queixa sobre o incidente, mas não começaram as investigações.

“Não fizemos nenhuma investigação, e somente após isso registraremos o Boletim de Ocorrência”, disse o delegado Sandhir Chaudhary.

“Eu estou ocupado até o dia 5 de agosto com outros casos mais importantes. Depois verei o que posso fazer”.

[b]Fonte: Missão Portas Abertas[/b]