O deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) expressou com veemencia sua oposição contra a parada gay de São Paulo, em suas declarações no programa A Liga, da Band TV.

O evento foi realizado no último fim de semana em São Paulo e Jair Bolsonaro afirmou ser contra o investimento público feito pelo Estado, levantando questões como valores da sociedade, problemas relativos à parada e a lei que criminaliza a discriminação contra homossexuais.

“Eles podem fazer a parada que eles bem entenderem. O errado é o poder público entrar com recurso para essa passeata”, disse ele na entrevista.

Segundo ele, o Estado estaria assim promovendo uma “conduta que a sociedade não concorda”… Bolsonaro faz a afirmação dizendo que se fizesse um plebiscito ou uma pesquisa não haveria apoio da sociedade.

[img align=left width=300]http://images.christianpost.com/portugues/middle/1612/jair-bolsonaro.jpg[/img]“Como se ser homossexual fosse motivo de orgulho”, acrescentou. “O tecido social da sociedade é a família. A partir do momento que você estimula esse tipo de comportamento que os pais não concordam, você está esgarçando esse tecido social”.

Bolsonaro ainda alega que isso, o investimento, pode ser bom “para ganhar voto”, justificando que pelo lado dos governantes “quanto pior a sociedade, com menos cultura e menos educação e com famílias desestruturadas, mais fácil para que as pessoas se mantenham no poder”.

O deputado é contra dizer que a Parada Gay se trata de um evento cultural e questiona que tipo de evento cultura seria uma parada do “Orgulho Gay”. “Que orgulho?” questiona. E levanta outros problemas como o “consumo de drogas”, “desrespeito” entre outros, durante o evento.

E sobre o casamento ele reafirma “é o que está na constituição ‘entre homem e mulher’”. Ele argumenta que os direitos de pensão, patrimônio, herança é para a segurança da prole, das crianças. Segundo ele, não há pensão para homossexual, pois “eles não geraram filhos!”

Bolsonaro recebeu críticas nas redes sociais depois de suas declarações. Ele é conhecido por comentários polêmicos sobre temas como homofobia e preconceito racial, principalmente.

[b]Fonte: The Christian Post[/b]