Para os parlamentares religiosos o ministro do STF e relator da proposta de aborto de anencéfalos, Marco Aurélio (foto), errou ao se posicionar sobre o caso em 2008 ferindo as leis da Magistratura Nacional.

Representantes das Bancadas Católica e Evangélica se reuniram com o presidente do Senado, José Sarney, pedindo para que o ministro Marco Aurélio de Mello, do Supremo Tribunal Federal, tenha sua análise sobre o aborto em caso de gestação de fetos anencefálicos anulada.

Mello é o relator do processo que foi votado nos dias 11 e 12 resultando na liberação da interrupção da gravidez quando for diagnosticado que o bebê não tem cérebro.

Juntamente com outros sete ministros Marco Aurélio foi favorável, mas sua posição sobre o caso foi adiantada em entrevistas concedidas em 2008 ao SBT e para a revista Veja e por esse motivo os parlamentares foram pedir o impeachment de Marco Aurélio alegando que ele antecipou seu voto.

Pela Lei Orgânica da Magistratura Nacional os juízes são proibidos de “manifestar, por qualquer meio de comunicação, opinião sobre processo pendente de julgamento, seu ou de outrem”.

“O que está sendo colocado aqui em pauta é a abertura para que seja apoiado o assassinato em massa de crianças em nosso país. Queremos pedir que o Senado aprecie o documento porque queremos o impeachment do ministro Marco Aurélio”, disse o deputado federal Marco Feliciano que esteve na reunião com o presidente do Senado, José Sarney.

Feliciano se pronunciou em entrevista a revista Carta Capital e também participou da vigília organizada em Brasília na frente do prédio do STF. Mesmo sendo organizada por lideranças católicas, o pastor evangélico e os deputados da bancada se uniram pedindo para que a proposta não fosse aprovada.

[b]Fonte: Gospel Prime[/b]