[img align=left width=300]http://optclean.com.br/site/wp-content/uploads/2015/07/ashley_madison.jpg[/img]

Um pastor americano cometeu suicídio seis dias depois de ter seu nome exposto pelos hackers que atacaram o site de adultérios Ashley Madison, segundo contou sua esposa à CNN nesta quarta-feira (9).

Christi Gibson encontrou seu marido, John Gibson, morto e com uma bilhete suicida em que falou de sua vergonha por ter sido exposto, em 24 de agosto.

“Ele falou sobre depressão, sobre ter seu nome estar lá, e disse que se arrependia muito”, afirmou a esposa ao lado de seu filho e filha no estúdio de TV em Nova Orleans.

Ashley Madison, lançado em 2001, é conhecido por seu slogan: “A vida é curta. Curta um caso”. O site é conhecido por conectar pessoas que buscam um caso extra-conjugal.

A polícia canadense afirmou que pelo menos dois suicídios estavam ligados ao vazamento de 32 milhões de perfis canadenses no mês passado. Não está claro se a morte de John Gibson é um desses casos, já que a polícia americana não revelou detalhes.

De acordo com autoridades, a companhia ficou a par do ataque hacker no dia 12 de julho, quando funcionários foram recebidos pela manhã com uma mensagem em seus computadores ameaçando vazar informações dos clientes caso o site “não saísse do ar imediatamente e permanentemente”.

A mensagem era acompanhada pela música da banda de rock AC/DC “Thunderstruck”.

[b]Fonte: G1[/b]

Notícia relacionada: [url=https://folhagospel.com/modules/news/article.php?storyid=30848]Cerca de quatrocentos líderes religiosos acessavam site de adultério[/url]